Estratégias de longo prazo da indústria da carne: entenda os objetivos e metas

21.12.2020 • Notícias

Para além dos compromissos assumidos para eliminar irregularidades socioambientais da sua cadeia de fornecimento, duas das líderes na cadeia de valor da carne bovina na Amazônia, JBS e Marfrig, apresentaram, recentemente, suas estratégias de longo prazo para melhorar seu desempenho socioambiental.   

 

Cada uma, em seus termos, divulga metas para  mitigar externalidades, riscos e gerar impactos ambientais, econômicos e sociais positivos.  A JBS, por exemplo, apresentou em setembro o programa Juntos Pela Amazônia, cujos pilares fundamentais são desenvolvimento da cadeia de valor; conservação e recuperação de florestas; apoio às comunidades; e desenvolvimento científico e tecnológico. Para alcançar esses objetivos, lançou quatro iniciativas que apresentam metas que são, a Plataforma Verde JBS, o Compartilhamento do Sistema de Monitoramento, Apoio e inclusão de fornecedores e o Fundo JBS pela Amazônia.

 

 

Principais pontos do Plano Juntos pela Amazônia

Plataforma Verde –  Cruzar informações dos fornecedores da empresa  com dados das guias de  trânsito de animais por meio de tecnologia blockchain. Programado em quatro fases, prevê que seus fornecedores estejam na plataforma até 2025 quando isso será uma condição para vender gado à empresa.  

Compartilhamento do Sistema de Monitoramento: Compartilhar sua tecnologia de monitoramento de fornecedores com produtores, outros fornecedores de insumos agrícolas e instituições financeiras que desejarem adotar critérios socioambientais na relação com suas cadeias de valor.

Apoio e inclusão de fornecedores: Realizar campanhas de engajamento com pecuaristas e entidades para que, até o fim de 2025, os fornecedores de seus fornecedores diretos estejam na Plataforma Verde JBS.

Fundo JBS pela Amazônia – Aportar, inicialmente, R$ 250 milhões para financiar iniciativas e projetos que tem por objetivo contribuir para o desenvolvimento sustentável e a conservação ambiental da Amazônia e para a melhoria da qualidade de vida das comunidades que nela vivem.

 

A Marfrig, por sua vez, anunciou o Plano Marfrig Verde+,  cuja ambição é garantir que 100% da cadeia de produção da empresa seja sustentável e livre de desmatamento nos próximos dez anos. O plano, concebido em parceria com a instituição público-privada holandesa IDH - Iniciativa para o Comércio Sustentável- indica que nos próximos dez anos, a Marfrig compromete-se a investir R$ 500 milhões em ações de sustentabilidade.

 

Principais ponto do Plano Marfrig +

Controle da cadeia e mitigação de riscos: Adaptar, até 2022 todos os seus sistemas para controle da cadeia e mitigação de riscos. Ainda neste ano, a empresa deve lançar o Mapa de Mitigação de Riscos de Fornecedores Indiretos, ferramenta que cruza vários mapas de presença de vegetação nativa com outros de produção pecuária.

 

Programa de reintegração: Entre 2022 e 2025, liderar o programa de reintegração de produtores que foram bloqueados por desmatamento, tornando possível que eles voltem a cumprir os critérios da empresa.

 

Programa de assistência técnica, intensificação e restauração: Em parceria com o IDH, promover melhoria da pastagem, da genética e da nutrição animal. Além disso, juntamente com instituições financeiras, a Marfrig e a IDH estão coordenando a construção de linhas de crédito adequado às necessidades dos pecuaristas.

 

Rastreabilidade: Atingir a total rastreabilidade da cadeia de fornecimento da Marfrig na Amazônia até 2025 como parte do objetivo de atingir desmatamento zero até 2030.

 

Equipe Boi na Linha