Indústria do couro apresenta potencial de fortalecer a rastreabilidade

21.09.2021
Indústria do couro apresenta potencial de fortalecer a rastreabilidade
Info brief 4 - Faça o download aqui

De acordo com a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec), 39,5 milhões de cabeças de gado foram abatidas em 2020.  O tema da carne é amplamente discutido, representa apenas 60% do peso do boi. Outro produto importante derivado do gado é o couro. São 39,5 milhões de pele de boi que abastecem uma  cadeia de valor  bastante pulverizada e, por isso mesmo, com potencial de fortalecer a demanda pela rastreabilidade da produção bovina.

O programa Boi na Linha publicou um estudo intitulado Rastreabilidade e certificação na cadeia de valor do couro justamente para colocar luz neste tema. Desenvolvido pelo coordenador de Projetos no e Imaflora, Lisandro Inakake de Souza, e pelos consultores especialistas, Álvaro Flores  e Maria Guida Junges, o Info Brief 4 aborda a importância das certificações, a sinalização do engajamento das empresas nacionais no tema da rastreabilidade e a necessidade de mais transparência em toda a cadeia produtiva.

 

Segundo o Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB),  os couros são utilizados pelas indústrias de calçados e de moda em geral,  pela indústria moveleira e automotiva, indústria alimentícia, farmacêutica, entre outras, mas a maior parte da produção, cerca de 80%, é destinada à exportação.  O setor de couros, no Brasil, conta com 244 plantas industriais pertencentes a 207 grupos empresariais, desde multinacionais até empresas familiares. Emprega cerca de 30 mil trabalhadores e movimenta mais de US$ 2 bilhões a cada ano, ainda segundo o CICB.

 

Os clientes dessa cadeia têm aumentado a demanda de informações sobre a origem das matérias-primas, principalmente por compradores ligados ao mercado da moda, pressionados pelos consumidores e o próprio mercado, especialmente do setor calçadista.  Uma avaliação da Global Canopy identificou 15 empresas-chave com sede na Europa e nos Estados Unidos que poderiam desempenhar um papel importante na redução do desmatamento na cadeia do couro. Elas incluem grandes fabricantes de automóveis, como General Motors e Volkswagen, varejistas de móveis, como Ashley Furniture Industries e DFS, e empresas de calçados, como Adidas e Nike. A Itália é o segundo maior importador de couro bovino brasileiro depois da China.

Equipe Boi na Linha